“A MORTE??? AI BEO DEOS! Alguém vai morrer?!”

Siiiiiiim! Mas calma! Não agora!

Se estamos falando de autoestima, eu gostaria de propor algumas reflexões sobre este símbolo: A Morte. Temos que falar sobre algumas coisas em nós que precisam morrer. Alguma coisa em nós que precisamos conseguir deixar pra trás. Simbolicamente a Morte significa processos dolorosos, mas profundamente transformadores e necessários em nossa vida. A Morte caminha sobre a terra limpando-a, purificando-a, reestruturando tudo o que existe, regenerando, abrindo espaço para o novo. Ela é um processo, assim como tudo na vida, mas é um processo purificador, por mais doloroso que possa ser.
Passar por este processo (simbolicamente falando) permite à você ganhar cada vez mais níveis de amadurecimento. É através deste amadurecimento que nos preparamos para os novos “níveis” desse jogo chamado Vida. Passando por experiências como um término por exemplo, que abrimos espaço à nossa frente para o novo, e o mais principal na minha opinião, o autoconhecimento.

O ato de deixar partir

Acontece que… nem sempre estamos dispostxs a deixar algo em nossa vida partir… Como adoro usar exemplos pessoais, estive em um loooongo relacionamento onde nenhum dos dois era feliz, e nada acontecia. Não sei a parte dele, mas em mim habitava um profundo e angustiante medo de enfrentar a solidão. Essa fase na minha vida era meio que o ápice da minha insegurança pessoal. Mas chegou um momento em que ou eu terminava, ou enlouquecia.
Eu tive que chegar neste ponto desesperador para tomar a decisão de deixar aquilo, que já não fazia nenhum dos dois feliz, pra trás, por mais dor que aquilo fosse me causar. Toda aquela dor que eu tinha tanto medo de enfrentar, lá estava eu passando por ela inteirinha. E olha só… passou! É passado, e eu digo que aprendi uma cacetada enorme de coisas com tudo isso. Depois de todo momento de choro sempre há alguns minutos onde uma paz maravilhosa parece invadir o nosso corpo. Pelo menos comigo funciona assim. E essa paz é um momento sensacional para pensar nas coisas que aconteceram e tentar vê-las por todos os pontos de vista que você conseguir. Novas percepções começam a aparecer e com elas, mais conhecimento. Conhecimento sobre o que? Sobre você! Sobre como você funciona sentimentalmente e psicologicamente.

Empurrando a vida com a barriga

Existem tantas coisas que temos medo de enfrentar em nossa vida. Tantos medos. E são estes medos que nos impedem de vivermos plenamente, seguindo, fazendo e sendo aquilo que realmente gostamos, queremos e somos. Temos tanto medo de passar por processos dolorosos, mas são exatamente estes processos dolorosos que permitem que as coisas continuem o seu fluxo natural. Tentar evitar que este processo doloroso aconteça só vai retardar o fluxo da vida, o fluxo da sua natureza. Eu tentei evitar o término, e o que eu ganhei com isso? Anos a menos de experiências que eu poderia ter tido, coisas novas que eu poderia ter conhecido, e amores novos que eu poderia ter encontrado. Anos preciosos que nunca mais retornarão. Sabe por que? Porque ainda não existe uma forma de resgatar estes segundos. Já foram. Na ampulheta da vida, são grãozinhos de areia que já caíram.
A Morte. Venha conhecer um pouco mais sobre o poder deste arcano do Tarot e sua influência em nossa vida.

A Morte. Venha conhecer um pouco mais sobre o poder deste arcano do Tarot e sua influência em nossa vida.

Todxs nós um dia encontraremos A Morte.

E já que estamos falando de morte, você vai morrer. Sabia? Você possui a noção de que cada aniversário seu não é mais um ano de vida? Cada aniversário seu é menos um ano de vida. Cada dia que se passa é um dia mais próximo da hora da sua morte. Sua vida é limitada e finita. Ela não vai durar pra sempre. Quantos anos você já tem? O que já está fazendo hoje, aqui e agora, para realizar os seus sonhos? Você já descobriu o seu sonho? Já descobriu um caminho para seguir? Ou ainda tem medo de tentar alguma coisa nova?
O tempo está passando… vai demorar quanto pra criar a coragem e começar a agir na sua vida?
Às vezes reclamamos (e sempre com razão ueeuheuhe) dos nossos trabalhos. Eu mesmo passei anos numa empresa onde eu realmente não era nem um pouco feliz. Possuía uma rotina extremamente angustiante onde nada de novo acontecia. Havia épocas do ano onde não havia trabalho, e eu passava horas jogando meu precioso tempo fora, olhando para a parede ou me perdendo por páginas na internet.

Aquele Guilherme do passado…

Hoje, com esta noção da Morte que eu gosto de ter, como eu gostaria de voltar no tempo e dar um berro no ouvido daquele Guilherme, para ele aproveitar todo aquele tempo disponível e livre para fazer alguma coisa importante, para começar a seguir o seu sonho o quanto antes, pois a vida é finita, e sempre existe a possibilidade de não conseguirmos chegar no final da jornada e ver aquele sonho completo.
Gritaria no ouvido daquele Guilherme para ele finalmente começar a experimentar coisas e descobrir aquilo que ele gosta de fazer com amor e alegria, como por exemplo meu trabalho com fotografia hoje em dia e até mesmo este blog. Tenho o tesão de poder dizer com boca cheia que eu sou fotógrafo e que eu amo o que eu faço. Que eu trabalho exatamente com aquilo que eu amo. Pois pra mim, trabalhar em um lugar onde me tratam como fantoche, como número, seguindo uma rotina que eu odeio e sendo extremamente infeliz, são segundos extremamente preciosos que nunca mais voltarão, e que lá na frente, posso sentir falta deles.
A Morte. Venha conhecer um pouco mais sobre o poder deste arcano do Tarô e sua influência em nossa vida.

A Morte. Venha conhecer um pouco mais sobre o poder deste arcano do Tarô e sua influência em nossa vida.

O medo de aceitar a vida

Por mais quanto tempo você vai continuar com medo de aceitar seu próprio corpo e viver a vida com mais paz e harmonia consigo mesmo? Por mais quanto tempo você vai continuar acreditando que não merece atenção ou que não merece se sentir atraente? Por mais quanto tempo você vai se esconder atrás de desculpas e deixar de viver coisas valiosas na vida? Por mais quanto tempo você vai viver passivamente, com medo de ser o criador da sua própria vida e da sua própria rotina?
Por mais quanto tempo você vai continuar seguindo uma rotina que não suporta mais? Por mais quanto tempo continuará vivendo uma vida que não quer ou que não gosta? Por mais quanto tempo continuará desejando eroticamente as 18 horas da sexta-feira para finalmente poder curtir a “hora feliz” da sua semana?
Pera… Se você chama sexta-feria à noite de A Hora Feliz da sua semana… Se sua semana não teve nenhuma outra hora feliz… Amigx… tenho motivos para acreditar (e use a caixa de comentários no final caso eu esteja errado) que você passa a semana inteira desejando que a sexta chegue mais rapidamente. E se você está passando a semana inteira desejando que a sexta-feira chegue logo, você está passando sua semana inteira desejando que o tempo (tão precioso e que nunca mais voltará) passe mais rápido. Você está inconscientemente desejando que sua morte chegue mais rápido. Pois lembre-se… Cada aniversário que você comemora não é mais um ano de vida na sua conta.

Processos Dolorosos

O que mais precisa morrer na sua vida pra que as coisas retornem ao seu fluxo natural? O que mais precisa morrer em sua vida para que novos caminhos e novas oportunidades apareçam no seu caminho?
O que (ou quem) você precisa começar a deixar no passado, para que novas pessoas entrem no seu presente?
Temos tanto medo de encararmos uma dor, como a de uma separação por exemplo, que podemos chegar a passar anos sendo extremamente infelizes, apenas suportando tudo e empurrando com a barriga. Às vezes a perspectiva de um término parece ser algo horrivelmente doloroso. E é! Mas como a psicóloga Viviane Mosé diz neste vídeo, precisamos parar de ter medo da dor, pois é exatamente passando por ela que aprenderemos mais sobre nós mesmos. É passando pela dor que amadurecemos e nos preparamos para a próxima experiência. Temos tanto medo da dor que não passamos por processos de amadurecimento, e consequentemente permanecemos eternamente “infantis”, emanando um certo tipo de energia para o mundo. O que essa energia atrai? Por exemplo, pessoas que só querem sexo, que podem detectar sua energia baixa e suas fraquezas mais facilmente, permitindo a eles te manipularem, exatamente como ocorre em um relacionamento abusivo.

Amadurecimento

São nos processos dolorosos que amadurecemos e fortalecemos o nosso espírito. Através do sofrimento que nossa alma cresce e se rompe, permitindo caber dentro dela mais mundo, mais experiência, mais vivência. Nos pegamos idealizando um relacionamento perfeito por exemplo, mas temos medo do processo de tentativa e erro. Aquele relacionamento pode dar errado, e que ótimo! É no erro que aprendemos! É na dor que crescemos. É tentando se relacionar com as pessoas que você aumentará suas chances de encontrar o amor da sua vida. Mas para conseguir ter relações cada vez mais maduras, é preciso passar por começos, términos e recomeços. Cada ciclo de aprendizagem eleva o nível da sua alma. É como se você fosse um Pokémon e as fases da vida são suas fases de evolução. Você vai ser pra sempre um Pikachu?
Como símbolo, a Morte possui várias facetas, e vários significados, e acredito que a filósofa contemporânea Jout Jout conseguiu, sem querer, falar um pouco sobre os significados desta carta neste vídeo aqui. Vale muito a pena! hahahaha
Mas eu vou falar sobre estes ciclos de amadurecimento mais pra frente, quando eu decidir falar sobre uma cartinha chamada A Roda Da Fortuna.

E aí? Gostou de conhecer um pouco mais sobre A Morte no Tarô?

Deixe seu comentário nos contando o que achou! Não se esqueça de compartilhar este blog nas suas redes sociais para que cada vez mais pessoas possam se amar e se aceitar mais! Venha curtir a minha página no Facebook! Não se esqueça também do Instagram! Ah! Você também pode nos enviar a sua história. Sabia disso? Visite o link para saber mais!
Deixe o seu comentário!