A Filosofia do Afeto

O Ocidente

Para nós, ocidentais, sinônimo de felicidade muitas vezes está relacionado com ganhos materiais. A cultura do consumo nos afoga em suas mensagens subliminares e desperta em nós a contínua necessidade de se ter o que não tem. O resultado dessa busca por algo que nos preenche momentaneamente aliado a rotinas exaustivas de trabalho é uma das razões que tem provocado o declínio da saúde mental de tantas pessoas ao redor do mundo. 

Em meio à essa enxurrada de informações a que somos expostos e às cobranças excessivas por indivíduos cada vez mais produtivos e consequentemente menos saudáveis, as relações acabaram seguindo o mesmo caminho do fast food. Nos grandes centros urbanos, a exemplo da cidade de São Paulo, em meio à correria do dia-a-dia encontrar os amigos se tornou um evento nada frequente e convidar alguém para um café virou lenda.

Os mais sensíveis a essas mudanças em suas vidas e resistentes às soluções rápidas, não sucumbem aos apelos da indústria farmacêutica nos seus inúmeros tratamentos e tentam extrair da cultura oriental a qualidade de vida que tanto se nota por lá.

Nesse contexto, muitos centros de terapias alternativas e complementares surgiram no Brasil com a proposta de devolver ao ser humano um estilo de vida de outrora, centrado em momentos desfrutados em grupo, tardes de meditação em parques, yoga, vivências urbanas e maior aproximação entre pessoas próximas ou completamente desconhecidas.

O Oriente

O desenvolvimento de laços mais fortes e o estímulo à prática do afeto tem sido objeto de estudo de algumas filosofias orientais, a exemplo do Tantrismo e do Taoísmo. A primeira é originária da Índia e de culturas politeístas, e a segunda, originária no Leste asiático, especificamente na China. Ambas são doutrinas filosóficas e místicas que dentre vários preceitos e estilos de vida, convergem no ideal da preservação da energia sexual como forma de aumento da vitalidade e dinamismo, estimulação da criatividade e criação de fortes e profundos laços afetivos.

Aliado aos fundamentos da espiritualidade, os líderes espirituais que mais difundiram essas práticas ao redor do mundo foram Osho e Mantak Chia. Segundo eles, o ser humano é um ser multiorgástico e possui um corpo com muitas capacidades que vão além do que achamos que sabemos. A massagem tântrica, por exemplo, é uma das várias maneiras de se chegar a um estado de total entrega e plenitude, além de técnicas específicas de meditação e respiração, instruídas por um terapeuta competente.

Essa energia sexual conservada pelos seus praticantes em nada tem relação com a prática de sexo ou com a pornografia difundida no ocidente. Infelizmente aqui, os seus maiores difusores são profissionais que vendem serviços sexuais e descaradamente intitulam-se terapeutas corporais ou tântricos, como numa tentativa de livrar-se do estigma da prostituição ou para conferir aos seus serviços um título de diplomado, por pura estratégia de marketing.

O intercâmbio filosófico

Em seu livro “O Homem Multiorgástico”, Mantak Chia diz que “o materialismo ocidental nos encoraja a contemplar o corpo do outro como um bem de consumo (…) porém, a sexualidade é integrada com a totalidade da vida, acrescentando cor, intensidade, interesse e paixão em tudo”.

Seguindo as ideias das filosofias milenares e aplicando-as ao contexto ocidental, é possível se desconectar saudavelmente da rotina inflada para se envolver mais com as pessoas em uma troca benéfica de energia e companheirismo. Isso pode ser estendido das relações amorosas até o contexto familiar. 

Assim, os já citados e tantos outros modos de ver a vida podem nos tornar seres humanos mais centrados no nosso interior e isso, consequentemente, nos encoraja a buscar relações mais saudáveis onde quer que estejamos.

 


Ensaio Fotográfico - Rodrigo. Ensaio sensual masculino e nu artístico em São Paulo.Rodrigo Correia – Colunista da Sereno Fotografia

Neurocientista em formação, é um verdadeiro aficionado por temas que permeiam a psicologia e a sexualidade humanas. Descobriu na meditação uma maneira de encontrar a felicidade plena. Seus interesses em filosofia, cinema e literatura tentam sanar (ou estimular) as suas próprias inquietações. Leão com ascendente em Leão, aguarda ansiosamente pela chegada dos irmãos de outro planeta.

Deixe o seu comentário!