Explorando o Sensorial #2 – Odor e Textura

O Cheiro

“Depois o cheiro. Um procura no outro cheiro de colônia ou cheiro de prazer. E os dois se embriagam ou vão até o banheiro”.

O odor que exala dos seres humanos e o que nos torna mais parecidos com os animais é denominado feromônio (do grego, phero: transmitir, hormona: excitar). Essas substâncias têm inúmeras finalidades que favorecem as relações entre os seres, de modo a garantir a sobrevivência ou aumentar a possibilidade de interações. 

Certas espécies de mariposa, por exemplo, conseguem captar o cheiro dos feromônios a aproximadamente 20 km de distância. No caso dos humanos, neurocientistas e biólogos teorizam sobre a capacidade desse hormônio em aumentar as chances de um envolvimento sexual ou potencializar o desejo sobre uma determinada pessoa, levando em consideração que cada um possui um cheiro específico.

Na prática é possível notar essas diferenças. Talvez a atração não seja caracterizada apenas por esse fator isolado, e sim, por um conjunto de características que torna o outro atraente aos nossos olhos. 

Porém, não há como negligenciar o fato de que o cheiro exerce um efeito sobre nós, assim como o perfume que exala de determinada pessoa pode instigar o nosso desejo mesmo à distância e o caminho do banheiro talvez seja realmente o resultado final dessa comunicação olfativa.

A Pele

“Depois é a pele, se a textura vale. O pelo com pelo, ou o pelo com o seu pelo, ou os pelos com meu pelo, ou o medo”.

Há quem opte pela ausência de pelos e prefira a imagem do adolescente pré-puberdade ou do adulto de aparência jovial. Mesmo numa época onde pelos corporais e faciais se tornaram sinônimo de masculinidade e virilidade (vide a ascensão dos ursos nos aplicativos de relacionamento), a carinha de bebê não perde o seu valor quando o alvo da paquera prefere um nadador profissional a um projeto nórdico de vicking.

Na presença ou ausência desse componente, a pele, sabidamente o maior órgão do corpo humano e rico em terminações nervosas, exerce um papel fundamental no elo criado a partir do contato entre dois corpos transbordando de desejo. Nesse contexto, o suor e a temperatura exercem seus efeitos inebriantes e alucinógenos, como num ciclo vicioso retroalimentado pelos movimentos de cada um.

Os versos de Cazuza serviram como ponto de partida para uma pseudoanálise dos sentidos humanos como parte das nossas interações cotidianas. Conhecer o nosso corpo e as suas ferramentas enquanto seres altamente sexuais nos faz olhar para o que temos de melhor em nós mesmos. 

Assim, podemos assumir a máxima de que o grau de parentesco existente entre os seres humanos e outras espécies não é tão distante quando levamos em conta as variáveis que influenciam o contato mais íntimo, dentro da nossa própria natureza selvagem.

 


Ensaio Fotográfico - Rodrigo. Ensaio sensual masculino e nu artístico em São Paulo.Rodrigo Correia – Colunista da Sereno Fotografia

Neurocientista em formação, é um verdadeiro aficionado por temas que permeiam a psicologia e a sexualidade humanas. Descobriu na meditação uma maneira de encontrar a felicidade plena. Seus interesses em filosofia, cinema e literatura tentam sanar (ou estimular) as suas próprias inquietações. Leão com ascendente em Leão, aguarda ansiosamente pela chegada dos irmãos de outro planeta.

Deixe o seu comentário!